O verdadeiro objetivo do conhecimento profético se alcança apenas pela reforma interior, e não pelo conhecimento acumulado em si mesmo.

domingo, 19 de julho de 2015

Não creiais a todo o espírito





Ceticismo Crítico
Duvide sempre, mas no bom sentido, de investigar o que é dito, seja qual for a fonte. 
Com o tempo saberá quais fontes merecem mais crédito do que outras.

A Pesquisa Isenta
Leia tudo, pesquise tudo, porque os múltiplos pontos de vista ajudam no nosso próprio entendimento.

Verificação dos Paralelos Proféticos
Se algo é dito em uma fonte fidedigna, se a lógica assim aponta, possivelmente o será em outra fonte igualmente fidedigna, talvez de outra forma, com outros termos, mas a existência de paralelos, desde que oriundos de fontes confiáveis, reforça as conclusões. 

Verificação de Conhecimentos e Acontecimentos
Saber o que a ciência tem a dizer, o que a tecnologia tem a dizer, saber o que ocorre pelo Mundo, observar comportamentos e tendências é fundamental para possíveis conclusões.

Conclusões
Chegue a suas próprias opiniões e confie nelas. Mas esteja disposto a revisa-las.

Novas Evidências
Esteja sempre disposto a rever suas conclusões, não as assuma de forma dogmática ou orgulhosa. Reveja suas conclusões diante de novas evidências.


**



Olá a todos, 

a profusão de profecias apócrifas e mentirosas impressionam.

Uma profecia apócrifa é uma profecia sem um autor definido, do tipo que alguém disse que alguém falou que determinado fato ou fatos iriam acontecer.

Em geral, ou são simples mentiras ou interpretações travestidas de profecias, mas também podem ser releituras pessoais de profecias fidedignas.

Poderíamos começar pelas datações, e isso está comentado no Blog desde 2008, no texto Datas em Profecias.

No texto citado são informadas as Premissas para datas em Profecias,  que são cinco.

As premissas para datas em Profecias podem ser aplicadas sobre uma série de outras questões relacionadas a Profecias.  Datas são acontecimentos, então se pode substituir um termo pelo outro que as explicações permanecem válidas.

- a 1ª premissa para datas em Profecias (Interpretação)

É a baseada na intenção verdadeira daqueles que receberam a mensagem profética e mencionaram datas (ou algum outro acontecimento especifico).

Isso se explica porque durante o processo de captação do fato profético (visão, bilocação, clariaudiência, inspiração, sonho, outros), o “olhar” do receptor teria erroneamente interpretado algum aspecto da mensagem, deduzindo por si mesmo que existe uma data para a conclusão do fato recebido ou vislumbrado.

Como exemplo posso citar Chico Xavier e sua previsão sobre 2019.

- a 2ª premissa para datas em Profecias (Linha de Eventos)

Também baseada na intenção verdadeira daqueles que receberam a mensagem profética, e é correta dentro de uma "linha de eventos" específica.

Acontecimentos posteriores alteraram esta "linha de eventos", e os acontecimentos proféticos vislumbrados foram postergados. Fatos profetizados que poderiam acontecer em um determinado período, não ocorreram porque suas pré-condições não foram satisfeitas (futuros possíveis). Se tais pré-condições ocorrerem no futuro, poderão novamente disparar o acontecimento profetizado, que ocorrerá em tempo diferente do previsto.

Algumas afirmações de homens como Parravicini e Edgar Cayce podem ser incluídas neste caso, pois são fontes proféticas de alto grau de acerto, e ainda assim, com erros em datações.

E falar em “linha de eventos” pode soar estranho, mas estamos falando de profecias, eventos que basicamente consistem na transcendência de um acontecimento no tempo e no espaço.

- a 3ª premissa para datas em Profecias (Interpretação fria)

É baseada na intenção benéfica daqueles que interpretam uma profecia, e erroneamente pensam ter chegado a datas para a conclusão de um ou mais acontecimentos profeciados.

Não há mal desde que as interpretações sejam tratadas como interpretações e não como fatos. O problema surge quando se tornam “pseudo-fatos”, como se fossem realidade em vez de entendimento pessoal ou de grupos.

Esta premissa difere da 1ª premissa porque nesta a data (ou algum outro acontecimento especifico) é fruto de interpretação fria e distanciada do evento profético.  Na 1ª premissa, a interpretação é realizada dentro da emoção da experimentação.
               
- a 4ª premissa para datas em Profecias (Parcialidade)

É baseada na parcialidade, sem levar em conta os variados aspectos da questão.

Um dado ou referencia é usado como evidência, desconsiderando os demais fatos ou pré-condições que também devem ser satisfeitas no texto ou textos proféticos. E a partir daí, este dado serve para “provar” a afirmativa de uma data ou acontecimento.

Alguns fazem isso deliberadamente para confundir, mas outros fazem motivados por sua crença, e pensam agir corretamente.

Os exemplos da terceira e quarta premissas são tantos e tão variados que muitas das afirmações que vemos por aí em Redes sociais e Blogs diversos se encaixam nelas, assumindo é claro, a boa intenção de quem as profere.

Mas há os mentirosos que tem plena consciência de que o que dizem é parcial, meramente interpretativo, ou criações que não procedem a luz de uma análise mais ampla.

Muitos o fazem para simplesmente obter atenção, e muitos o fazem como uma forma de prosetelismo, buscando arregimentar fiéis as suas Crenças e formas de pensamento.

- a 5ª premissa para datas em Profecias (Falsamente Inspiradas)

É a categoria das mensagens falsamente inspiradas.

"Sábios" de origem duvidosa, autoproclamados "mestres", "anjos", "santos", “extraterrestres”, repassam informações normalmente em processo mediúnico, inspiratório, através de canalizações ou processos similares.  Dessa forma podem se reportar a datas ou acontecimentos que o portador da mensagem repassará como sendo verdadeiras.

Nestes casos a intenção de quem recebe a mensagem pode ser verdadeira, mas a fonte não é, e embora o contato seja fruto de experiência espiritual ou mística, com nomes pomposos ou relevantes, não há verdade na narrativa.

Embora a afirmação seja controversa, cabe compreender que, segundo doutrinas espiritualistas, que o ser livre da carne pode em alguns casos plasmar-se com aparências diversas, como se fossem fantasias usadas por um ator, de acordo com a peça em que irá atuar. Portanto não é a aparência ou o nome autodeclarado que definem a relevância de uma mensagem desta natureza, mas é a própria mensagem que assim se define, e isso é que é fundamental para a comprovação da fonte.

Hyppolyte Leon Denizard Rivail, sob o pseudônimo de Allan Kardec, o codificador da Doutrina Espírita, relata em Maio de 1863 no estudo "Exame das comunicações mediúnicas que nos são dirigidas", publicado na Revista Espírita na França, que teve acesso a 3600 mensagens de caráter mediúnico, de variadas fontes.  17% foram prontamente descartadas e 83% foram analisadas. 

Destas 3000, apenas 100 demonstraram mensagem relevante, e outras 200 mereceram divulgação. Ou seja do total, apenas 8% das mensagens foram divulgadas e somente 3% foram consideradas realmente relevantes por Kardec

A conclusão de Kardec:  “No mundo invisível como na Terra, não faltam escritores, mas os bons são raros”.




Como exemplo disso temos algumas aparições marianas que muito falam e nada dizem (Leia "O que é certo sobre as aparições Marianas?"), ou ainda canalizações de supostos extraterrestres com seus comandos e hierarquias (Leia "Ufolatria") que por vezes apenas agregam “roupagens novas” a antigas afirmações de profecias fidedignas, e com isso arregimentam admiradores. Geralmente fazem afirmações que contrariam os fatos, as evidências e mesmo elementos sólidos da ciência e do conhecimento.

Então cabe discernir muito bem sobre o que está sendo dito.


**

O enfoque geral em torno do tema profético é muito parecido com o que envolve o tema ufológico. Ambos são temas relevantes a humanidade e que em alguns casos até se entrelaçam, ambos tem relação direta com nosso contemporâneo e ambos são cercados de afirmações falsas e de misticismos, que chamam a atenção, mas que também atrapalham o seu melhor entendimento.  É meio como ter que tirar um enorme e inútil recheio, para poder ver o miolo.

Certas afirmações prejudicam a seriedade da abordagem dos temas, colocam tudo na vala comum da mentira, nivelam por baixo pela falta de critérios, de coerência e lógica, afastando pessoas que de outra forma, buscariam compreender mais adequadamente a relevância destes temas.
Como já dito, existem aqueles que assim procedem para obter atenção (fama, dinheiro, audiência e mesmo ego), e aqueles que buscam arregimentar fiéis as suas Crenças e formas de pensamento. Podemos engloba-los em uma categoria mais ampla, a dos mistificadores.

Existe um terceiro tipo, a dos detratores; e um quarto tipo, aqueles que se consideram ungidos.

Um detrator é alguém que deliberadamente cria versões de determinados temas para desacreditá-los, e desta forma detratores se colocam como pessoas idôneas, porque de outra forma não conseguiriam conduzir o público a suas afirmações errôneas, e que visam a descrença.

Um falso ungido é alguém que realmente considera que tem uma missão, que geralmente alega ter contato direto com entidades espirituais ou entidades superiores, e com isso se arroga de uma suposta autoridade para dizer o que quiser.

Na verdade um detrator com freqüência se faz passar por um ungido, e um falso ungido acaba sendo um detrator, são características que se misturam, mas as separo aqui porque falo de ações deliberadas, considerando aspectos da psique e mesmo de distúrbios comportamentais e psicológicos de cada um destes tipos.  Um detrator é um mentiroso deliberado, enquanto um falso ungido é alguém que acha mesmo que é ungido.



"Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas 
palavras serás condenado." 
(Mateus 12:37)


**

Mas estas coisas não tem muita importância, tem?  

Para quem estuda o tema profético ou Religioso, tem sim.

Alias eu diria que a importância vai além destes dois temas, porque na verdade estas posturas se aplicam a tudo que envolve informação e conhecimento, e já deu outro exemplo bem conhecido disso, o estudo ufológico.

Estas linhas de ação, além de afastar as pessoas de temas de alta relevância, no caso especifico de profecias, de relevância moral e comportamental a todos nós, também levam a descrença, a apostasia, ao pânico, e mesmo a suicídios e mortes.


"Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo."
 (1 João 4:1)


Na década de 1960, Charles Milles Manson foi o fundador, mentor intelectual e líder de um grupo que cometeu vários assassinatos nos Estados Unidos, a pretexto de uma falsa profecia que afirmava sobre uma grande guerra racial no País.

Charles Manson



Na década de 1970, James Warren "Jim" Jones, fundador da igreja Templo dos Povos, foi o mentor de um suicídio em massa da comunidade de Jonestown, na Guiana, resultando de 918 mortes, em sua maioria por envenenamento. A alegação para tal ato é a de que haveria uma guerra nuclear devastadora que destruiria o planeta.

Jim Jones


A seita Heaven's Gate, uma seita ufólatra norte-americana liderada por Marshall Applewhite e Bonnie Nettles, levou ao suicídio 39 de seus membros, quando da passagem do cometa Hale-Bopp, em 1997. A alegação era basicamente a mesma, que a Terra seria devastada e que ao cometerem suicídio, os membros seriam levados pelo cometa, que na verdade seria uma nave alienígena, a outro Mundo mais avançado.

Marshall Applewhite e Bonnie Nettles


Em 2007 o russo Pyotr Kuznetsov levou 30 membros de sua seita, a chamada Verdadeira Igreja Ortodoxa Russa, a se esconderem em cavernas sobre a alegação de que o mundo iria acabar em 2008. E eles resistiram a sair, fizeram barricadas,  houve violência e por muito pouco não houveram mortes durante o cerco policial e a retirada do grupo.

Pyotr Kuznetsov


**

Se eu fosse detalhar cada exemplo recente deste tipo de comportamento, a lista seria imensa e envolveria desde conseqüências trágicas e violentas, diretamente ligadas a profecias falsas, como os exemplos citados acima, até aspectos de pura distorção de Crenças religiosas que levam a venda de propriedades inclusive a favor destas lideranças, ocultação de cadáveres, mutilações, afastamentos familiares, isolamento geográfico, conflitos inter-religiosos e mesmo guerras.

Neste ponto você já pode associar por si mesmo exemplos disso em seu próprio País, em sua própria Cidade, e que fique claro, não estou aqui condenando todas as ações prosetélicas e dogmáticas. Embora não as aprecie, estou me referindo especificamente a aquelas práticas deliberadamente mentirosas, que inclusive fogem do próprio escopo básico das Denominações e/ou Religiões envolvidas, e bastaria isso para a percepção da mentira nelas incutidas, mas enfim, nem todos somos capazes de aferir isso com clareza, ora porque desconhecemos, ora por uma certa inocência diante de posturas que não coadunam com nossa própria natureza e índole.


**

Temos atualmente um grupo que se utiliza tanto de afirmações proféticas quanto de afirmações pseudo-religiosas para promover assassinatos, a violência e a guerra: O ISIS ou como é chamado no Brasil, o Estado Islâmico.

Isso não é muito abordado na mídia, que foca demasiadamente nas atrocidades cometidas, mas uma pesquisa um pouco mais aprofundada sobre a base ideológica do grupo, e até mesmo sobre seu nome, ("ad-Dawlah al-Islāmīyah fī al-‘Irāq wash-Shām" ou "Estado Islâmico do Iraque e Al-Shaam".), demonstra que eles também se utilizam de retórica profética para arregimentar membros.

Esta relação do nome com o tema profético fica evidente mediante o entendimento do Al Quiyamah - O Dia do Julgamento, o equivalente Corânico ao Apocalipse Bíblico.

Então temos um exemplo bastante prático e atual sobre até aonde distorções e mentiras baseadas na Fé e em profecias, podem chegar.



Mas cabe ressaltar que a ascensão deste grupo pode ter relevância profética, no contexto do surgimento de ad-dajjal, o anticristo bíblico.


Compare os Mapas, indicados em textos proféticos Biblicos e no Corão.

"Ele (ad-dajjal) surgirá entre Shaam e o Iraque, ...
Al-Shaam (narrativa de 1600 anos)

Ambição territorial do ISIS



Região geográfica da ascenção do anticristo, segundo profetas Bíblicos
Ambos, Corão e Bíblia indicam a mesma região.


Profeta Daniel                                                                        Profeta Isaias
                                     
área de onde surgirá o "chifre muito pequeno".                        Assíria


Mapa aproximado das etnias citadas pelo Profeta Ezequiel






**






Mas vamos retornar a exemplos mais simples de serem demonstrados e mais focados em profecias que vem sendo amplamente comentadas em redes sociais e Blogs diversos.



Desde que eu estudo o tema, e isso já faz quase 20 anos, ouço sobre variadas profecias sobre variados eventos e datações que nunca ocorreram. Alias, no inicio dos meus estudos sobre o assunto, o que justamente me levou a mergulhar no tema foi a profusão de afirmações, muitas delas até contraditórias entre si, e com isso, de fato não me afastei mas me aprofundei para determinar por mim mesmo, o que era verdade, o que poderia ser real, o que era possibilidade e o que era simples mentira e distorção da verdade.

Um adágio muito conhecido diz que uma mentira repetida diversas vezes torna-se verdade.

Trata-se é claro de uma forma de controle da vontade alheia, usado por exemplo por Goebbels, o Ministro da propaganda na Alemanha nazista, mas não só por ele, e ainda é usado por muitos, sejam indivíduos, grupos e mesmo Governos. Mas isso se mostra um fato apenas quando não há aprofundamento nas questões mencionadas.

Mesmo que leve algum tempo, a pesquisa, a leitura, a observação dos fatos envolvidos, enfim, a busca pelo entendimento de forma isenta e racional,  traz inevitavelmente algum esclarecimento. Mas como sabemos muitos se acomodam, é uma tendência que nos acomodemos, ainda mais diante das lutas diárias que enfrentamos, e ter respostas prontas dá muito menos trabalho.

Só que se nos interessamos por algum tema, no caso que comentamos, o tema profético, devemos superar esta tendência e buscarmos sempre uma melhor e mais ampla compreensão.

Vou pegar apenas quatro exemplos de afirmações atuais que, na verdade, são releituras de afirmações anteriores, mas os exemplos abrangem muitas outras afirmações.

Os exemplos a seguir tem relação com profecias, mas nenhuma delas é de fato uma profecia.

- O primeiro deles é sobre o Suposto corpo celeste intruso, que alguns insistem em dizer que está próximo da Terra e que Governos nos escondem isso, e para tal publicam fotos, imagens, replicam afirmações falsas de supostos especialistas e etc... .

O corpo celeste intruso é SIM uma possibilidade profética, o tema é tratado neste Blog no texto Inversão magnética e Verticalização do Eixo, mas uma coisa é a possibilidade e a outra são as falsas afirmações feitas sobre o assunto.

Hoje com o imenso (milhões) número de pessoas e instituições observando os céus, e também devido a internet fixa e móvel, seria impossível esconder esta informação. As teorias conspiratórias que dão conta de esquemas mirabolantes para ocultar do grande pública a informação, não fazem qualquer sentido.

A proximidade de um objeto astronômico de grande massa, teria que obedecer as Leis da Gravitação Universal, e jamais passaria imperceptível.  A distorção gravitacional afetaria os planetas de nossos Sistema Solar, e também a nós. Sua simples presença em direção ao nosso Mundo, ou a outro planeta de nosso sistema, traria conseqüências mensuráveis, e elas não existem.

Não estou descartando a possibilidade profética, mas descartando as afirmações de que o objeto se encontra presente, porque isso não foi aferido até o momento, nem pela ciência e nem pelos fatos da própria astrofísica básica.

Cópia da Matéria de 1993, dando o (falso) anúncio da
descoberta de Hercólubus



- O segundo exemplo é sobre o choque com um NEO (Near Earth Object - Objeto próximo a Terra), que seria um asteroide ou cometa.

SIM, este evento é profético e é devidamente narrado em textos proféticos fidedignos. 

SIM, algum dia um objeto destes de pequeno porte pode se chocar com a Terra, e este choque poderá acontecer de surpresa amanhã ou daqui há 100 anos, isso é ciência e probabilidade, vai ocorrer.

O tema é tratado aqui principalmente em dois textos, Escala Torino e Panspermia e Inversão magnética e Verticalização do Eixo.

Mas qualquer afirmação de um objeto de grandes dimensões que poderia levar a extinção da vida e da civilização deve ser respaldada em fatos, e os fatos mais confiáveis que temos são os recolhidos por programas de observação como o Near-Earth Object Program da Nasa com colaboração da ESA (Agência espacial Européia). 

Este programa internacional de observação e monitoramento de corpos celestes próximos a Terra, e que envolve dezenas de Instituições em vários países, Brasil inclusive, é a melhor fonte de informação sobre o assunto.

Se você ler ou ouvir falar que algum objeto se aproxima da Terra e irá se chocar conosco, consulte o objeto no catálogo de risco do NEO Program, é simples e rápido.

Considere que um evento desta magnitude seria amplamente noticiado pela mídia, seria divulgado por astrônomos e instituições, assim como com um suposto corpo celeste intruso se aproximando, e não é possível esconder esta informação devido aos números de pesquisadores envolvidos do tema, e também pelos interesses práticos da questão.

A questão dos NEOs é tão importante que existe até uma escala para medir possíveis eventos, a Escala Torino, e até o momento o objeto que tem maior grau nesta escala é o Apophis, que segundo as projeções atuais, poderá se aproximar perigosamente da Terra em 2036.

Escala Torino


Mas quanto mais se conhece o tema, mais compreende-se que devido ao tamanho relativamente pequeno destes objetos, que eles sofrem influências gravitacionais constantes, e portanto sofrem mudanças orbitais com relativa facilidade. Isso significa que um objeto que não esteja em nossa direção, pode virar-se contra nós dentro de um determinado espaço de tempo medido em anos. E por outro lado, que a projeção de órbita de um objeto para daqui há 20 anos, pode representar que ele se afastará de nós. 

Ou seja, estas informações variam ao longo da análise de dados, não são um fato definitivo, e por isso existe a necessidade de um monitoramento constante, como o praticado pelo NEO program.

Então algum dia um objeto que poderá causar grandes estragos nos atingirá, somos diariamente bombardeados por dezenas deles que nada nos causam, mas poderá acontecer de um ter a condição de destruir uma cidade, um continente ou até mesmo, trazer uma extinção global, isso se observarmos pela ótica científica.

Mas profeticamente falando, não há indícios textuais de nenhum objeto trazendo a extinção global.

Profecias de fato falam de um objeto celeste que nos traria problemas, e dependendo do texto podemos compreender isso ou como um NEO ou como um corpo celeste intruso, mas estas mesmas profecias não falam em nossa extinção, falam da renovação da humanidade após uma série de eventos sociais, climáticos, bélicos e geofísicos.

Apophis




Concordo que não devemos confiar apenas na ciência, principalmente quando tratamos de profecias, e neste caso em particular, destas afirmações alegadamente baseadas em Profecias, devemos confiar nas próprias Profecias.

O contexto profético para estes eventos, seja uma possível queda de um objeto de grandes proporções, seja a aproximação de um corpo celeste intruso, indica que somente no momento do anticristo, dentre outros eventos proféticos, é que tal se sucederá. 

Antes haverá sua ascensão, a falsa paz, uma guerra global por ele promovida, e etc.... .

As mudanças geofísicas globais, ainda segundo as Profecias, se darão para que o homem não destrua todo planeta, e para que a vida, humana inclusive, possa ser continuada e renovada.


"E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne 
se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão 
abreviados aqueles dias." 
(Mateus 24:22)


Portanto, baseado em profecias, o contexto é claro.

Toda a questão dos NEOs é cientifica e também é profética.


Probalisticamente falando, um objeto poderia cair amanhã, porque embora nossos instrumentos possam rastrear milhares deles, há pelo menos 3 ou 4 vezes mais objetos em torno de nós do que podemos rastrear, objetos de pequenas dimensões ou ainda desconhecidos.

Então a ideia de uma queda em qualquer data especulada seria, entre aspas, endossável cientificamente falando, mas não profeticamente falando.


Alguns alegam sua existência citando supostas fontes e supostas ações de Governos e Agências, mas se um objeto é cientificamente previsto e teria que se-lo para justificar tais ações, seja um NEO ou seja um objeto celeste de maiores dimensões, então ele poderia ser visto e medido por milhões de astrônomos e astrofísicos pelo Mundo, e teríamos informações concretas sobre ele.



Quem defende ou afirma sobre objetos de grande porte caindo ou se aproximando sem a devida prova cientifica, entra em uma contradição ao dizer que a ciência prevê, já que a ciência NÃO o prevê até o momento, e quando isso ocorrer, saberemos sem duvida, do contrário pegaria a todos de surpresa, inclusive Governos e Agências.

Pode ser que um objeto pequeno caia e a ciência não possa antevê-lo, mas isso não é profético, é probabilidade, e no ramo das possibilidades tudo é possível.


Afirmar que um objeto irá cair nesta ou naquela data, ou ainda que um objeto de corpo planetário se aproxima sem comprovação científica e citando profecias, sendo que estamos fora do contexto profético narrado para tais eventos, é novamente contraditório e sem sentido.



Mas todos tem o direito de falar o que quiser, e cabe a cada um que ouve refletir sobre o que é dito e a cada um que diz responsabilidade sobre o que fala.



- O Terceiro exemplo é sobre algum imenso terremoto, geralmente indicado para a Costa Oeste do EUA.

SIM, isso irá ocorrer algum dia, é um fato científico, mas não há uma data para este evento.

SIM, ele consta de profecias, sendo a primeira que eu tenha conhecimento, do reconhecido vidente norte-americano Edgar Cayce, e todas as demais “previsões” feitas sobre o assunto são, no meu entendimento, derivadas desta previsão inicial. Mas mesmo Cayce, que não era afeito a datações, a datou e errou, colocando o acontecimento para meados dos anos de 1960.

Quando da proximidade com 2012 (Profecias Maias), muitos se aventuraram a afirmar que a costa oeste sofreria um grande afundamento naquele ano, inclusive como se esta profecia fosse deles, mas como sabemos, este grande terremoto também não ocorreu. Não comentarei aqui sobre as Profecias Maias porque isso está devidamente comentado em dois outros textos, Datas em Profecias e 21 de Dezembro de 2012.

Existem neste Blog alguns textos que falam sobre o evento na Costa Oeste e suas possíveis conseqüências geopolíticas e geofísicas, por exemplo, Eixo Paquistão-Índia-China,  Rússia, China e EUA no fim dos tempos, ou ainda Supostos Mapas pós-transição - EUA.  

Mas em nenhum destes textos você irá identificar datações de minha parte, porque isso é impossível de ser feito. 

Detalhe de um suposto mapa profético da Califórnia


O evento é uma possibilidade dentro do contexto profético, é uma possibilidade cientificamente aceita, mas afirmar que irá ocorrer no dia tal do ano tal é fantasioso.

A lógica dos eventos profetizados demonstra que pode ocorrer, porque a princípio, somente um evento de tamanha magnitude poderia afastar o EUA do cenário internacional, possibilitando a ascensão de outros poderes geopolíticos, conforme profetizados.  Mas pode ser outro evento, na verdade não sabemos.

É uma possibilidade cientificamente aceita devido a lenta movimentação das placas tectônicas da região, que algum dia liberará a energia da subducção em forma de um grande terremoto, seja em Cascádia, seja em San Andreas, Hayward ou outra grande falha geológica da região, mas também por eventos relacionados a cadeia de vulcões da costa Oeste do EUA, que por sua vez está inserida no Círculo de fogo.


São possibilidades aceitas, mas não são certezas absolutas, e muito menos podem ser datadas.

Principais falhas geológicas da Região de San Francisco



- O quarto e último exemplo que comentaremos aqui trata de Israel e do Irã.

Desde meados de 2006 eu ouço sobre supostas profecias falando de uma guerra iminente entre os dois países, e estamos em 2015. Já li sobre isso em “visões” que alguns supostamente tiveram (falsos ungidos), ou ainda no chamado Código da Bíblia, que de fato existe mas não tem qualquer relação com profecias. 

E agora, diante do acordo nuclear com o Irã, novamente leio sobre supostas profecias que não tem, de fato, respaldo conforme vem sendo apresentadas.





SIM, o Irã está no contexto de povos citados pelo Profeta Ezequiel no cenário de Gog e Magog.

SIM, o Irã está inserido na Assíria citada pelo Profeta Isaias, e na região citada pelo Profeta Daniel, como o da ascensão do Chifre menor. (mapas mais acima)

SIM, o Irã está no contexto da ascensão de ad-dajjal (o anticristo) no Corão.

Mas existe um desenrolar de eventos nestas citações, elas não afirmam que o Irã irá invadir ou bombardear Israel ou vice-versa, mas que a liderança conhecida como anticristo irá liderar uma série de povos em uma guerra global, do qual Israel será seu inimigo.

Então, SIM, profeticamente haverá uma guerra envolvendo os dois países, mas em um contexto de vários outros países, ou seja, uma guerra mundial, não causada por A ou por B, mas causada pela liderança chamada de anticristo na Biblia, Al-masih ad-dajjal no Corão.

Então cabe perceber que antes de qualquer possível conflito de grandes proporções envolvendo estas Nações, que deverá primeiro surgir o anticristo, e este personagem surgirá com alarido, não nas sombras. Será devidamente reconhecido por quem está atento as descrições sobre o cenário de sua ascensão e do próprio personagem. 

Ele surgirá como uma liderança de paz, para após alguns anos, lançar o mundo em seu pior conflito bélico, o qual, profeticamente falando, Israel e Irã estarão em lados opostos.

Claro que falando assim, sem grandes demonstrações na forma de citações textuais bíblicas e corânicas, pode ser difícil, principalmente a quem ainda se inicia neste tema, compreender o que eu digo, mas neste ponto exorto a você que se interessa pelo tema, que pesquise.

Neste Blog temos alguns textos que mencionam a questão, como O Papa e o anticristo, Apocalipse, capítulo 17, A besta que você viu, era e já não é, Eixo Paquistão, índia e ChinaAl Quiyamah - O Dia do Julgamento e outros, mas você pode e deve pesquisar nos próprios textos proféticos originais, como Daniel, Ezequiel, Revelação, Isaias, Lucas, Marcos, Mateus, e outros. 

Eles estão a disposição de qualquer um que deseje faze-lo.


**


Srs.,


Há os sinceramente devotados ao entendimento profético e religioso, e que comentem erros, afinal nenhum de nós é perfeito ou sabedor de toda a verdade. 

O tema é muito complexo, demanda esforço, leitura, estudo e tempo.

Eu diria até, parafraseando alguém, que quanto mais sabemos, mais percebemos o quanto ainda temos que compreender.

Mas há muitos que por mau-caratismo, que por delírios de grandeza ou paranóia, que por quererem seguidores ou admiradores para satisfação do ego, ou simplesmente por causa de dinheiro e fama, irão mentir e novamente mentir.

Eu já perdi a conta disso nestes anos em que estudo o tema.

Estejam atentos, nutram um ceticismo saudável, leiam, consultem as fontes, pesquisem por vocês mesmos, reparem os detalhes mas olhem os Contextos.


Este assunto interessa a todos nós, e somente o esforço conjunto pode trazer mais entendimento ao tema.



Obrigado.




Compre o Livro "O que são Profecias"

Compre o Livro "O que são Profecias"
Links para Compra do Livro

Participe do MidiaeProfecia Espaços

Contato

Minha foto
Curioso sobre Profecias e assuntos relacionados.